JUNTE-SE AO UNIVERSO DO PAPEL

COMPARTILHE NOSSO AMOR PELO PAPEL

Inspire-se para desfrutar de todo o prestígio do papel e da impressão

Getty Images

Os custos ambientais ocultos do digital

Do crescente problema do lixo eletrônico ao aumento da pegada de carbono dos data centers, analisamos o impacto que a transformação digital está causando ao planeta.

Uma pergunta: quantos telefones e dispositivos antigos e sem uso você tem em casa? De acordo com uma pesquisa da Royal Society of Chemistry , 45% dos lares do Reino Unido têm entre dois e cinco dispositivos eletrônicos sem uso em gavetas e caixas, e a maioria das pessoas não tem planos de reciclá-los.

O que muitas pessoas não percebem é que, embora esses dispositivos possam não ter muito valor monetário para o proprietário, eles têm um valor enorme para o meio ambiente, pois contêm uma grande quantidade de metais preciosos que precisam ser extraídos para a fabricação de novos dispositivos, e essa mineração tem um grande impacto no meio ambiente e social.

“Esses equipamentos têm muitos recursos importantes que podem ser usados ​​na produção de novos dispositivos eletrônicos ou de outros equipamentos, como turbinas eólicas, baterias de carros elétricos ou painéis solares”, disse Magdalena Charytanowicz, do Fórum Internacional de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (WEEE). “Tudo isso é crucial para a transição verde e digital para sociedades de baixo carbono.”

 

“Dark data”

A grande quantidade de lixo eletrônico é apenas um aspecto dos desafios ambientais associados à mídia digital. Outra questão fundamental é o aumento exponencial de dark data, arquivos de imagens, áudios e de documentos armazenados em data centers em todo o mundo, que nunca mais serão vistos ou usados novamente.

Com armazenamento de dados prontamente disponível, gratuito ou de custo muito baixo, muitas empresas e indivíduos simplesmente não se preocupam em deletar informações que não são mais úteis e que seguem armazenadas na “nuvem”. De acordo com o relatório State of Dark Data da TRUE Global Research, os dados típicos de uma organização armazenados na nuvem são 55% obsoletos.

O problema vem com a quantidade de energia necessária para manter todas essas informações. De acordo com um relatório do The Shift Project , a pegada de carbono de nossos dispositivos eletrônicos, da internet e dos sistemas que os suportam representa quase 4% das emissões globais de gases do efeito estufa, uma quantidade semelhante àquela produzida pelo segmento de aviação, com previsão de que  essas emissões podem dobrar até 2025.

“O que os governos têm falhado em observar até agora é a pegada de carbono da digitalização”, diz Tom Jackson, professor de gerenciamento de informações e conhecimento da Universidade de Loughborough . “É como a analogia do iceberg: existem grandes poluidores que estão no topo do iceberg, mas escondidos sob a superfície estão muitos problemas que ainda não estamos vendo.”

E certamente não há diminuição na quantidade de dados gerados. Em 2025 o mundo poderá estar gerando 181 zettabytes (181 trilhões de gigabytes). É difícil imaginar esses números, então considere o tamanho de um prédio usado para armazenar grandes quantidades de dados. Localizado em Langfang, China, o Range International Information Group é o maior centro de dados do mundo, espalhado por mais de 580 mil metros quadrados.

 

O Novo Plástico

Quer você seja responsável pela pegada digital de uma empresa inteira ou apenas pela sua, há várias coisas que você pode fazer. Como organização, o primeiro passo é entender quantos e quais dados a empresa processa e armazena. Em seguida, pense em como sua empresa usa o conhecimento e considere como você pode salvar informações importantes sem que os funcionários tenham que procurá-las constantemente.

Em nível pessoal, passe algum tempo analisando todas as imagens e vídeos armazenados no iCloud ou no Google Images e exclua os que você não precisa mais.  Depois reúna todos os telefones e dispositivos antigos da casa e leve-os ao centro de reciclagem local, certificando-se de fazer backup de todas as informações, imagens ou vídeos armazenados que sejam realmente importantes antes de restaurar as configurações de fábrica.

“Precisamos repensar a quantidade de dados que estamos gerando como sociedade”, diz Tom Jackson. “Precisamos pensar sobre isso da mesma forma que pensamos sobre o plástico; realmente precisamos ter todos esses aplicativos e dispositivos que estão gerando e armazenando todos esses dados?”

 

Fontes:

  1. https://www.statista.com/statistics/871513/worldwide-data-created/
  2. https://www.bbc.com/future/article/20200305-why-your-internet-habits-are-not-as-clean-as-you-think
  3. https://theconversation.com/dark-data-is-killing-the-planet-we-need-digital-decarbonisation-190423

 

Artigo escrito por Sam Upton, Two Sides UK e adaptado pela Equipe Two Sides Brasil.

 

 

Two Sides é uma organização global, sem fins lucrativos, criada na Europa em 2008 por membros das indústrias de base florestal, celulose, papel, cartão e comunicação impressa. Two Sides estimula a produção e o uso conscientes do papel, da impressão e das embalagens de papel, bem como esclarece equívocos comuns sobre os impactos ambientais da utilização desses recursos. Papel, cartão e papelão são provenientes de florestas cultivadas e gerenciadas de forma sustentável. Além disso, são recicláveis e biodegradáveis.